Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Poesia Desconhecida

A Poesia Desconhecida

21
Jan20

O BAILE 

Talis Andrade

_vitort bolsonaro nazismo.png

 

 

Rodando tanques pelas ruas

mantendo cachorros e vigias

      em cada esquina

infiltrando espias nos lares

      nos mais insuspeitos

      lugares

os asseclas de Hitler constituem

uma milícia de esbirros

      vestidos de fogo

      as bocas vomitando

      fumaça e cinzas

 

Os asseclas de Hitler bailam

sobre milhões de cadáveres 

27
Mai17

EMPEDRADO CORPO

Talis Andrade

         

Insensível como uma pedra       

um urso hibernando

 

Insensível como uma pedra       

um boi ruminando       

paisagens cinzas e capim       

 

não tenho olhos para o vôo de uma borboleta       

não me encanto com o canto de um pássaro       

não farejo o perfume de uma rosa       

a rosa que revelaria o secreto jardim         

 

Sou insensível como uma pedra       

que cobre um cadáver       

em um cemitério clandestino       

 

Em alguma curva da vida       

encruzilhada de despachos       

uma bruxa me transformou em pedra       

Uma pedra que não marca       

nem desmarca       

Simplesmente uma pedra 


 

 

 
 
 


10
Abr17

 O CORPO MEDIDO

Talis Andrade

Cadáver esquisito.jpg 

 

Meu corpo não termina       

nas partes que consigo atingir

      

Meu corpo não termina       

nas partes que você toca       

além do que posso sentir

        

Meu corpo não termina       

nos limites do amor       

o amor que tuas mãos percorrem       

 

Meu corpo não termina       

no corte de pano medido       

para a costura da mortalha         

 

Meu corpo não termina       

no cadáver posto no ataúde

      

Meu corpo se estende       

por desconhecidas terras       

longe das feras       

longe do alcance       

dos carniceiros vermes 

 

Meu corpo não termina       

nas partes que você toca       

além do que posso sentir  
 
 
 


 

---

Ilustração: Cadáver Esquisito, por Héctor Pineda, com a colaboração de James Knowles

 

 

09
Abr17

OS MUROS DE BETSÃ

Talis Andrade

Exibido corpo no palco

para os aplausos os escarros

Corpo suspenso nos muros de Betsã

corpo exposto às moscas

velado corpo no catafalco  

 

Emparedado corpo

não pode sair da tumba

para um solitário chope 


 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub