Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Poesia Desconhecida

A Poesia Desconhecida

24
Mai17

SEMPRE PERTO E LONGE

Talis Andrade

 

Qualquer parte       

do meu corpo       

atingida por estranhos       

minha mãe       

lavava com água       

gelo e neve       

Minha mãe       

esterilizava com álcool         

 

Livre dos contágios       

meu corpo       

foi ficando       

frio como o gelo       

puro como a neve              

 

Para continuar imune       

passei a não deixar       

fossem tocadas       

as partes íntimas       

do meu corpo         

 

Fui me distanciando       

me distanciando       

e assim ando       

sempre longe       

de quem amo 
 
 
 
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub