Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Poesia Desconhecida

A Poesia Desconhecida

10
Abr17

 O CORPO MEDIDO

Talis Andrade

Cadáver esquisito.jpg 

 

Meu corpo não termina       

nas partes que consigo atingir

      

Meu corpo não termina       

nas partes que você toca       

além do que posso sentir

        

Meu corpo não termina       

nos limites do amor       

o amor que tuas mãos percorrem       

 

Meu corpo não termina       

no corte de pano medido       

para a costura da mortalha         

 

Meu corpo não termina       

no cadáver posto no ataúde

      

Meu corpo se estende       

por desconhecidas terras       

longe das feras       

longe do alcance       

dos carniceiros vermes 

 

Meu corpo não termina       

nas partes que você toca       

além do que posso sentir  
 
 
 


 

---

Ilustração: Cadáver Esquisito, por Héctor Pineda, com a colaboração de James Knowles

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2021
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2020
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2019
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2018
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2017
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub