Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Poesia Desconhecida

A Poesia Desconhecida

27
Mai17

EMPEDRADO CORPO

Talis Andrade

         

Insensível como uma pedra       

um urso hibernando

 

Insensível como uma pedra       

um boi ruminando       

paisagens cinzas e capim       

 

não tenho olhos para o vôo de uma borboleta       

não me encanto com o canto de um pássaro       

não farejo o perfume de uma rosa       

a rosa que revelaria o secreto jardim         

 

Sou insensível como uma pedra       

que cobre um cadáver       

em um cemitério clandestino       

 

Em alguma curva da vida       

encruzilhada de despachos       

uma bruxa me transformou em pedra       

Uma pedra que não marca       

nem desmarca       

Simplesmente uma pedra 


 

 

 
 
 


Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D